Flamengo 0x0 Goiás - Final da Copa do Brasil de 1990

De Flapédia
Ir para: navegação, pesquisa
FlamengoxGoias.JPG

Conteúdo

História

A Copa do Brasil de 1990 teve um sabor especial para o Flamengo, que conquistou um título inédito até então para o futebol do Rio de Janeiro. E o melhor: de maneira invicta. Ainda comandado pelo já experiente maestro Júnior, o time da Gávea fez uma campanha impecável na competição.

Sua estréia foi diante do fraco Capelense, que foi derrotado impiedosamente pela equipe rubro-negra por 5x1, na Gávea, e por 4x0 no estádio Manoel Moreira, em Alagoas. A vitória garantiu o time do Rio na segunda fase do torneio. O adversário seria o também modesto Taguatinga, de Brasília. Jogando em casa, o Fla venceu por 2x0. E no Serejão, bastou um empate em 1x1 para assegurar a classificação para as quartas-de-final.

Foi a hora do primeiro teste de verdade do Flamengo: o Bahia. Na Fonte Nova, em um jogo muito disputado, as equipes ficaram no empate: 1x1. E no jogo de volta, o Fla sofreu, mas conseguiu vencer, pela margem mínima de diferença: 1x0, e a passagem para as semi-finais, onde enfrentaria o Náutico. Com um 3x0 na primeira partida, disputada no Mário Helênico, em Juiz de Fora, o time foi para o Estádio dos Aflitos, em Pernambuco, relaxado. Ficou no empate, em 1x1, e foi para a decisão, contra o Goiás.

Decisão esta que não teve partidas no Rio de Janeiro. A final com mando de campo do Fla foi disputada em Juiz de Fora, assim como nas quartas e semi-finais. Porém, isso não mudou o estilo de jogo rubro-negro, que, teve dificuldades, mas venceu a primeira partida por 1x0, com gol de Fernando, aos 16 minutos do segundo tempo. Mal sabia ele que aquele era o gol do título.

Porque na finalíssima, diante de mais de 45 mil torcedores, no estádio do Serra Dourada, o Fla conseguiu resistir à pressão do alviverde goiano, e saiu de campo com seu primeiro título da Copa do Brasil, que teve com artilheiro o atacante Gaúcho, do Flamengo, com cinco gols marcados.

O Jogo

A vantagem do Flamengo era mínima, e o Goiás tinha ao seu lado mais de 40 mil torcedores o apoiando, dentro de casa, em busca do título. Porém, a raça e a superação são características típicas da equipe rubro-negra, e foram elas que fizeram a diferença na final da Copa do Brasil de 1990.

Com um jovem centroavante que depois viria a se consagrar no Botafogo - Túlio -, o Goiás partiu para cima desde o início do jogo. Niltinho, companheiro de Túlio no ataque esmeraldino, se destacava pela velocidade com que armava as jogadas. O Fla, no entanto, conseguia se defender, e assustava nos contra-ataques, como em lance aos 29 do primeiro tempo, quando Júnior bateu de fora da área e quase marcou.

No segundo tempo, foi a vez de Renato Gaúcho entrar na área sozinho e ao chutar, ser travado pelo goleiro. Logo em seguida, o Goiás mostrando que queria o título, também quase inaugurou o placar. Túlio invadiu a área rubro-negra, driblou três zagueiros e o goleiro Zé Carlos, mas finalizou mal, em cima do arqueiro já caído.

E no final do jogo, com a torcida rubro-negra presente à Goiânia já gritando "olé", Niltinho, um dos destaques da equipe da casa, deu um soco no rosto do atacante do Flamengo, Renato Gaúcho, causando uma confusão na partida. Mas, nada que manchasse a conquista da equipe carioca.

Vídeo

{{#ev:youtube|C2tXr9hrsxQ}}

Ficha Técnica

Os campeões do Brasil em 1990

GOIÁS 0x0 FLAMENGO
Finalíssima da Copa do Brasil de 1990

Data: 12/07/1992
Local: Serra Dourada, Goiânia
Renda: Cr$ 1.936.000,00
Juiz: Renato Marsiglia (RS)

Advertências:Fagundes, Jorge Batata (GOI), Aílton, Gaúcho, Zinho e Renato Gaúcho(FLA)

GOIÁS: Eduardo, Wílson (Rubens Carlos), Richard, Jorge Batata e Dalton; Wallace, Fagundes, Luvanor e Josué; Niltinho e Túlio. Técnico: Sebastião Lapola.

FLAMENGO: Zé Carlos, Aílton, Vítor Hugo, Rogério e Piá; Uidemar, Júnior, Bobô (Nélio) e Zinho; Renato Gaúcho e Gaúcho. Técnico: Jair Pereira.

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas