Libras

Notícias

De olho no pódio: Gabriela Regly

Por - em
Caçula de três filhos, Gabriela Regly começou a praticar o nado artístico com sua irmã mais velha, aos 5 anos. Aos 12, Gabi já integrava a primeira Seleção Brasileira, conquistando o título sul-americano na categoria Juvenil. 

No Flamengo desde 2007, a nadadora desenvolveu uma relação especial com a técnica Roberta Perillier, por quem tem muito carinho. Com Beta no comando da equipe nacional, Gabi acaba de participar de seu primeiro Campeonato Mundial adulto e segue para sua estreia nos Jogos Pan-Americanos.

Na série 'De Olho no Pódio', o site oficial do Flamengo conta as histórias de alguns dos principais atletas do clube e do Brasil, passando pela vida pessoal, carreira e, claro, o Mais Querido. Conheça um pouco mais daqueles que fazem os esportes olímpicos rubro-negros e brasileiros mais fortes.

Início no esporte 
Comecei o nado artístico aos 5 anos de idade no Fluminense. Meu irmão era atleta de futsal de lá e, enquanto ele treinava, eu e minha irmã ficávamos na arquibancada da piscina assistindo. Um dia, a técnica de nado do clube nos convidou para uma aula experimental, nós amamos a experiência e continuamos treinando até hoje. Dois anos depois minha mãe decidiu nos trocar de clube e fomos para o Flamengo, onde estou até hoje e sou completamente apaixonada pela minha equipe e pelo nado. Aos 12, peguei minha primeira Seleção Brasileira, fui ao Campeonato Sul-Americano Juvenil, no Chile, e fomos campeãs. Foi uma sensação fora do comum subir no primeiro lugar do pódio e ouvir o hino nacional em outro país. Foi a partir daí que decidi que levaria o esporte e a seleção para a vida.

Chegada ao Flamengo
Minha mãe é professora de vôlei do Flamengo e resolveu me trocar de clube por ser mais fácil a questão de levar, buscar e estar sempre por perto. Hoje agradeço muito por essa decisão dela, pois sou muito feliz aqui no clube. 

Momento marcante na carreira
Meu momento mais marcante no nado foi o meu primeiro Mundial Júnior em 2014, na Finlândia. Foi minha primeira seleção ao lado da minha irmã, da pessoa que eu mais admiro no esporte. E juntas com a nossa equipe conquistamos as finais de todas as provas que nadamos, foram nadadas incríveis! A Beta (Roberta Perillier) era nossa técnica e foi um dos melhores grupos que eu já tive. Estávamos muito unida entre si e com as técnicas, isso faz muita diferença. Eu lembro bem quando acabamos de nadar, recebemos a nota e a Beta estava com lágrima nos olhos, ela olhou para a gente e falou “foi lindo, meninas. Vocês fizeram história”. Essa frase nunca saiu da minha cabeça. 

Relação com a Beta Perillier 
A Beta é uma segunda mãe para mim, ela sempre foi muito atenciosa comigo e sempre soubemos dividir a piscina da relação pessoal que temos. Sem dúvidas, a nossa relação é muito forte, pois ela sempre me fala “você é igual ao Pepe, a versão feminina do meu filho”. Estamos trabalhando desde os meus 7 anos, já são 12 juntas e não me vejo tendo uma técnica diferente. Sou muita grata a todos os ensinamentos que ela me passou, tanto no nado quanto na vida de forma geral. Sem ela eu não seria nem metade do que sou hoje. Com certeza é a melhor treinadora que qualquer um pode ter. 

Rotina diária 
Estamos treinando muito, então minha rotina é rodeada por treinos. Perto de competição, nós treinamos de manhã e de tarde todos os dias. Acordo às 5h40 para estar no treino às 7h30. Ficamos até 12h30 e à tarde de 15h às 18h. Quando está um pouco mais longe, só treinamos dois períodos nas terças e quintas. Segundas, quartas e sextas eu treino de manhã e à tarde vou para faculdade. Faço publicidade na PUC.

Dificuldades de ser uma atleta de alto rendimento
No nado, a maior dificuldade é a falta de investimento. É um esporte pouco acompanhado, então o investimento deixa muito a desejar. Com esses treinamentos intensos tenho ficado muito cansada também, às vezes é difícil vencer a barreira do cansaço, mas aí eu sempre paro e penso “o pódio do Pan é logo ali” e isso me faz ter forças para vencer qualquer coisa. 

Principais competições 
Mundial, que terminou na semana passada, e os Jogos Pan-Americanos. Foi meu primeiro Mundial na categoria adulta e meu primeiro Pan-Americano também. Estou animada demais, não vejo a hora de estar nas piscinas da Coreia e do Peru representando meu país em competições enormes como essas.

Preparação e expectativa para os Jogos Olímpicos 
O sonho de qualquer atleta de alto rendimento é participar de uma Olimpíada e esse é meu também. Estou muito feliz e realizada de ir para o meu primeiro Pan, estou realizando outro sonho de atleta que e isso é gratificante demais. A preparação foi muito forte, foram dias intensos de treinos e vamos continuar trabalhando muito para buscar esse objetivo.

Estrutura familiar
Eu tenho minha mãe, meu pai, um irmão e uma irmã, ambos mais velhos que eu, minha avó, que mora no mesmo prédio, e uma cachorrinha muito linda. Atualmente, moro só com minha mãe e meu pai. Minha irmã, que também é atleta de nado artístico, está morando nos Estados Unidos, fez faculdade e se formou lá. Meu irmão é goleiro de futebol e atualmente mora e joga em Manaus. Minha família sempre me apoiou muito e sou muito grata por todo esse apoio deles. Sem eles eu não conseguiria metade do que consegui até hoje. 

Ídolo no esporte 
Ayrton Senna. Cresci ouvindo meu pai falar do Senna e volta e meia ele estava assistindo vídeos das conquistas dele e passei a assistir. A admiração do meu pai era tão grande e bonita que acabei admirando-o também. Mesmo 25 anos anos após o seu falecimento, ele segue sendo o meu ídolo eterno no Brasil e no mundo.

Hobbies 
Amo estar na praia, é o meu refúgio. Gosto muito de estar com meus amigos também, seja onde for. Adoro fazer trilhas, viajar para lugares diferentes... 

Outros esportes além do nado 
Eu acompanho bastante a natação e o futebol também, por ser o esporte que meu irmão pratica.

Tempo livre 
A gente está tendo muito pouco tempo livre esses últimos meses, mas sempre que possível eu gosto de estar com a minha família ou meus amigos, me faz muito bem. Gosto muito também de ir à praia, assistir um filme novo e descansar, pois o ritmo de treino está bem puxado. 

Ficha técnica
Nome: Gabriela Regly 
Idade: 19 anos 
Altura: 1,64
Naturalidade: Rio de Janeiro, RJ
Principais conquistas: Finalista no Mundial da Finlândia em 2014, 5 vezes campeã sul-americana e 4 vezes vice-campeã pan-americana de categorias