Libras

Notícias

A estrada para o Flamengo: Ana Carla

Por - em

Uma das principais jogadoras do Flamengo/Marinha, Ana Carla já nasceu com o futebol em seu sangue. Natural de Vitória-ES, a menina acompanhava o pai nas peladas de finais de semana, nascendo assim seu amor pelo esporte. Mas quem pensa que ela iniciou sua trajetória pelos campos está enganado. Quando estava na sexta série, Ana foi convidada a integrar o time de basquete do colégio e começou a treinar com as demais meninas. Num determinado momento, a capixaba precisou decidir se seguiria carreira nas quadras ou tentaria a sorte nos gramados. Então sua paixão de infância falou mais alto e ela escolheu o futebol.

A série ‘A Estrada para o Flamengo’ desta semana conta a história da meia Ana Carla, um dos destaques da equipe de futebol feminino que, desde pequena, sonha em brilhar nos gramados.

Ana Carla de Oliveira Barboza
Modalidade: Futebol Feminino
Posição: Meia
Nascimento: 25/06/1994
Naturalidade: Vitória-ES

Foto: Paula Reis / Flamengo

O início
Ainda criança, Ana Carla ia com seu pai nas peladas de finais de semana, iniciando desde cedo seu amor pelo futebol. Seu lazer era jogar bola na rua ou na quadra, no meio dos meninos, pois naquela época, não era fácil encontrar escolinhas de futebol feminino.

Certo dia, a brincadeira na rua terminou mais cedo e ela resolveu ir ao treino de basquete apenas para observar. Então, o treinador a chamou para fazer alguns testes e pediu para retornar no dia seguinte. Após realizar as atividades, se destacou e foi chamada para integrar a equipe. A menina, então, precisou deixar o futebol um pouco de lado para se dedicar às quadras, aprendendo a gostar do esporte também.

Ana Carla jogou basquete durante seis anos, chegando à equipe de Osasco/Bradesco-SP em 2011. Quando completou 18 anos, época que iria se profissionalizar, a treinadora do clube paulista, sabendo que Ana era apaixonada pelo futebol, disse que aquele era o momento para decidir se seguiria carreira no basquete ou no futebol. Então, ela largou tudo e resolveu ir atrás de seu sonho: tornar-se jogadora de futebol.

Trajetória no futebol feminino
Quando Ana Carla comunicou aos seus pais que iria tentar a sorte no futebol, houve uma certa resistência quanto à mudança, pois a capixaba já estava com uma certa bagagem no basquete. No final de 2011, retornou ao Espírito Santo e iniciou os treinos em uma equipe local. Não demorou muito, a atleta foi participar de um projeto em um bairro vizinho e passou a disputar competições de maior expressão, como o Campeonato Estadual e o Brasileiro de Futsal. Antes de ir para o campo, atuou em diversos torneios de futsal. Enquanto realizava a transição para os gramados, foi convidada para jogar por outro time da região e chegou a disputar uma Copa do Brasil.

Em 2015, após um dos treinos do time, o primo de sua amiga fez contato com um jogador que atuava numa equipe do Rio de Janeiro. Então, Ana Carla foi indicada para fazer testes no Boavista, de Saquarema-RJ, que estava iniciando o projeto no futebol feminino. Apesar de todo o esforço para manter a equipe feminina, o clube de Bacaxá precisou interromper o projeto por falta de patrocinadores que arcassem com os custos.

Na época, seu treinador tinha uma escolinha de futebol em Guadalupe-RJ, e ofereceu a estrutura para que Ana continuasse com os treinamentos, até encontrar um novo clube em que pudesse jogar. Antes de chegar ao Mais Querido, a atleta foi para São Paulo disputar um torneio pela equipe do Matão-SP.

Chegada ao Flamengo e principais conquistas
Ainda em 2015, após uma breve passagem por São Paulo, a meia retornou ao Rio de Janeiro, no mesmo momento em que o Flamengo tinha firmado uma parceria com a Marinha para a formação de um time. Num amistoso marcado no CEFAN, contra a equipe rubro-negra, a capixaba se destacou e foi logo convidada para integrar o time. Ela realizou todo o processo seletivo exigido pela Marinha e pode, enfim, realizar o sonho de vestir o Manto.

Pelo Rubro-Negro, Ana Carla conquistou cinco Campeonatos Estaduais e um Brasileiro (2016). A camisa 6 é uma das poucas remanescentes da equipe que iniciou o projeto em 2015, sendo uma grande referência dentro do elenco. Hoje, mais experiente e com uma grande bagagem no futebol, Ana quer continuar brilhando e conquistando muitos títulos com a camisa do Mengão, para um dia, alcançar a tão sonhada convocação para a Seleção Brasileira feminina da modalidade.