Libras

Notícias

Acaba o sonho do bi rubro-negro

Não deu. O sonho do bicampeonato da Libertadores vai continuar sendo um sonho por mais um ano. A Nação rubro-negra lotou o Maracanã e fez a sua parte, Renato acertou dois chutes impressionantes e sob

Por - em

Não deu. O sonho do bicampeonato da Libertadores vai continuar sendo um sonho por mais um ano. A Nação rubro-negra lotou o Maracanã e fez a sua parte, Renato acertou dois chutes impressionantes e sobrou raça e disposição. Mas os 2 a 0 que o Flamengo aplicou sobre o Defensor não foram suficientes. O time uruguaio segue na competição e vai enfrentar o Grêmio nas quartas-de-final.

O jogo começou nervoso. Com três minutos, jogadores dos dois times batiam boca por conta de uma entrada de Sorondo em Léo Moura. O uruguaio levou cartão amarelo, mas o clima seguiu tenso.

Aos 12, a primeira boa chance do Flamengo saiu de lançamento de Juan para Renato Augusto. Mas o goleiro Silva defendeu o chute do meia rubro-negro.

Raça não faltava ao Flamengo, que dominou a partida durante todo o primeiro tempo, com quase 70% de posse de bola. Mas as chances foram raras. As jogadas pelas laterais morriam em cruzamentos tortos de Léo Moura e Juan. No meio, faltava alguém para criar e furar o bem montado bloqueio armado pelo Defensor.

Só aos 32 o Flamengo voltou a incomodar. Souza recebeu na área no meio de quatro uruguaios. Lutou, esperneou, mas não conseguiu finalizar. Aos 34, Renato Augusto sofreu pênalti de Martinez, mas Hector Baldassi não marcou.

E quando tudo parecia perdido, apareceu Renato. Quase 36 minutos, falta de muito longe, ele manda uma bomba. A bola bate na barreira e entra, fazendo renascer a esperança dos 57.767 flamenguistas que aguentaram o frio e a chuva no Maracanã.

O drama ainda teria 45 minutos e a torcida ganhou mais motivos para acreditar em um final feliz logo aos dois minutos do segundo tempo. De novo Renato. De novo, um petardo de longa distância, no ângulo de Silva. Golaço que fez o Maracanã tremer.

A chuva apertou, o jogo ficava cada vez mais dramático, mas o Flamengo não conseguia furar o bloqueio do Defensor, que abusava da catimba, parando o jogo sempre que podia. Aos 24 minutos, Ney Franco arriscou: botou o garoto Paulo Sérgio no lugar de Claiton e apostou em um trio de atacantes para fazer o gol que levaria a decisão para os pênaltis. E aos 32, acabou de vez com a marcação no meio de campo ao tirar Paulinho e botar Léo Lima para ajudar na armação. Planejou 15 minutos de sufoco para garantir o Flamengo.

E que abriram espaço para o Defensor encaixar contra-ataques. Aos 36, saiu sozinho na cara de Bruno, que conseguiu espalmar para o escanteio. Aos 39, Martinez arriscou de falta e o goleiro salvou novamente. Dois minutos depois, mais um milagre do goleiro, que segurou chute de Morales.

E acabou assim. Agora, o sonho do bi da Libertadores recomeça do início. Hora de tentar vaga para a Libertadores 2008 no Brasileirão que começa no sábado.

FICHA TÉCNICA\ FLAMENGO 2 x 0 DEFENSOR (URU)\

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)\ Data/Hora: 9/5/07 - 21h45min\ Renda/Público: R$ 636.981,00 - 57.767 presentes\ Árbitro: Héctor Baldassi (ARG)\ Auxiliares: Pablo Lunati e Gustavo Esquivel (ARG)\ Cartões Amarelos: Léo Moura, Roni e Souza (FLA); Fadeuille, Fernandez, Martínez e Sorondo (DEF)\ Cartões Vermelhos: Não houve.\

GOLS: Renato, 35'/1ºT (1-0); Renato, 2'/2ºT (2-0)

FLAMENGO: Bruno, Leonardo Moura, Ronaldo Angelim, Irineu e Juan; Paulinho (Léo Lima, 32'/2ºT), Claiton (Paulo Sérgio, 24'/2ºT), Renato e Renato Augusto; Souza e Roni. Técnico: Ney Franco.

DEFENSOR: Silva, Sorondo, Martínez, Cáceres e González; Fadeuille, De Souza e Pezzolano (Fernandez, intervalo); Amado, Ariosa e Peinado (Morales, 20'/2ºT). Técnico: Jorge Da Silva.