Futebol

De Flapédia
Ir para: navegação, pesquisa

Apesar de ter sido criado como um Clube de Regatas, o esporte que mais tem tradição no Flamengo é o futebol. Único carioca Campeão do Mundo, e a equipe que mais vezes conquistou o Campeonato Carioca, e também a equipe carioca que mais vezes conquistou o Campeonato Brasileiro, o Rubro-Negro é um dos maiores, senão o maior nome do esporte no país, além de contar com uma das maiores torcidas do mundo, com mais de 40 milhões de torcedores.

Conteúdo

História

O início no futebol

A partir de 1902, o remo passou a dividir com o futebol a preferência popular. Assim, os associados do Flamengo tornaram-se sócios também do Fluminense para acompanhar o futebol e os do clube das Laranjeiras vieram para o rubro-negro, a fim de acompanhar as regatas. Alberto Borgerth representava bem o exemplo, pois pela manhã remava pelo Flamengo e à tarde jogava pelo seu clube, o Fluminense.

Entretanto, em 1911, houve a cisão no Fluminense e muitos jogadores do tricolor vieram para o Flamengo, resolvendo em assembléia do dia 8 de novembro de 1911 fundar um departamento de esportes terrestres, com Alberto Borgerth na direção. A briga entre Oswaldo Gomes e muitos dos jogadores do primeiro quadro do Fluminense foi a razão da discórdia e, enquanto alguns falavam em trocar de clube e outros mesmo em abandonar o futebol, surgiu a idéia de Borgerth, de se criar uma seção de futebol no Fla. A proposta foi aprovada e consagrada na assembléia do clube realizada no dia 8.

A primeira partida

Lente.pngVer artigo: Primeira partida de Futebol do Flamengo

Na Praia do Russel foram feitos os primeiros treinos e no dia 3 de maio de 1912, já devidamente filiado à Liga Metropolitana de Desportos Terrestres, o Flamengo realizou a sua primeira partida. Foi no campo do América e os rubro-negros venceram o Mangueira por 16 a 2, sendo que o juiz foi o consagrado Belfort Duarte. O quadro do Fla formou com Baena; Píndaro e Nery; Coriol, Gilberto e Galo; Bahiano, Arnaldo, Amarante, Gustavo e Borgerth.

A segunda década

A década de 1920 foi boa para o Flamengo. Depois de conquistar os títulos de 1914/1915 no futebol, o clube voltou a levantar o título carioca em 1920, de forma invicta e marcando a primeira dobradinha com o remo - que havia ganho pela primeira vez no bicampeonato de 1916/1917 - sendo campeão de terra e mar. A taça de 1920 também foi importante para aumentar ainda mais a rivalidade com o Fluminense. Com a conquista, o Flamengo impediu, pela primeira vez, um tetracampeonato do tricolor.

Em 1921, novo título no futebol. Os principais nomes do time eram os atacantes Junqueira, Candiota, Nonô e Sidney, Porém, nos três anos seguintes, o Flamengo foi vice-campeão seguidamente, voltando a conquistar o Carioca somente em 1925. Nesta campanha, só foi derrotado uma vez - pelo Fluminense, placar de 3 a 1 -, venceu pela primeira vez outro tradicional rival, o Vasco da Gama, por 2 a 0, e teve em Nonô o grande artilheiro e destaque novamente, com 27 gols em 18 jogos.

O jejum seguido da profissionalização

Os anos trinta foram marcados pelo jejum rubro-negro no futebol. Ocupado em dar início às obras no terreno da Lagoa, o Flamengo teve o maior período sem títulos no esporte mais popular. Com a última taça sendo conquistada de maneira brilhante em 1927, o Flamengo só voltou ao posto de melhor time carioca doze anos depois, no campeonato de 1939, já com o seu estádio pronto.

Em 1936, 1937 e 1938, o rubro-negro viu o tricolor ser campeão carioca, ficando com o vice. Mas a espera valeu a pena, pois o título de 1939 evitou, pela segunda vez, o inédito tetracampeonato do Fluminense. O rival das Laranjeiras havia contratado quase toda a seleção paulista e ganho o tri nos anos anteriores. O Flamengo tinha os craques Yustrich, Domingos da Guia, Leônidas da Silva, Valido e Jarbas e não perdeu um jogo para o então grande tricampeão - venceu dois dos três confrontos, por 2 a 1 -, coroando a campanha com uma vitória em cima do Vasco por 4 a 0.

O primeiro tri

Depois do brilhante título de 1939, o Flamengo perde o craque Leônidas da Silva e assiste o Fluminense voltar a reinar no início da década de 1940. O tricolor conquista o bicampeonato em 1940/1941, deixando o rubro-negro como vice nos dois anos, e parte rumo a outro tri. Neste último ano, Pirilo, centroavante do Flamengo, entra para a história do Campeonato Carioca, ao marcar 39 gols, sendo o maior artilheiro num ano da competição.

O então presidente do Flamengo, Gustavo de Carvalho, decide dar plenos poderes ao técnico Flávio Costa. O treinador estrutura o time rubro-negro para impedir o título do Fluminense. Surge um dos três maiores jogadores da história do Flamengo. Thomaz Soares da Silva, o Zizinho, ou Mestre Ziza, tal era a sua categoria. O craque comanda a equipe rubro-negra em 1942 e impede mais um tricampeonato tricolor, dando início à primeira seqüência de três títulos cariocas seguidos do rubro-negro, em 1942/1943/1944.

Liderando uma grande equipe, na qual se destacavam as lendas rubro-negras Yustrich, Domingos da Guia, Biguá, Jaime, Valido, Pirilo e Vevê, Zizinho leva o Flamengo à sua primeira grande glória da história.

Em três anos, 44 vitórias, 188 gols marcados e apenas seis derrotas. Em 63 jogos o time obtém média de três gols por partida. Pirilo foi o artilheiro da campanha, marcando 46 vezes. O grande destaque foi Valido, que voltou ao futebol aos 41 anos, para marcar o gol do tri. Mesmo sofrendo de febre, o centroavante argentino fez 1 a 0, aos 41 min do segundo tempo da final disputada na Gávea para 20 mil pessoas, contra o Vasco, num lance muito polêmico - o jogador teria se apoiado no zagueiro adversário para cabecear. Choro vascaíno e alegria rubro-negra, em um dos títulos mais saborosos da história do Flamengo.

Conquistado o primeiro tricampeonato da história do clube, o Flamengo não consegue manter o time para a tentativa do tetra, em 1946. Perácio é convocado pelo Exército Brasileiro para lutar no fim da II Guerra Mundial e sem Jurandir, Domingos da Guia e Valido, o rubro-negro perde suas forças. O tiro de misericórdia é dado pelo Vasco, que contrata o mentor Flávio Costa.

São pouco os remanescentes do tricampeonato e nem Zizinho e Jair da Rosa Pinto são capazes de levar o clube ao quarto título seguido. A crise se instala no futebol da Gávea e o Flamengo não consegue mais do que as terceiras colocações em 1945/1946 e 1948/1949. Pior, começa o tabu, que iria durar até 1951, de não vencer o Vasco por seis anos. A década que começou bem para o Fla termina mal.

O Rolo Compressor - Os anos 50

A década de 1950 começa para o Fla da mesma forma que a de 1940 terminou: com crise no futebol. O presidente Dario de Mello Pinto vende Zizinho para o Bangu, antes mesmo da Copa do Mundo disputada no Brasil, numa negociação lamentada por muitas décadas no clube rubro-negro. Para piorar, o tabu contra o Vasco continua e, numa goleada de 5 a 2 sofrida para o rival, a torcida fica revoltada e queima a camisa 10 de Jair da Rosa Pinto, exigindo a volta do técnico Flávio Costa. O resultado de tanta turbulência é a pior colocação rubro-negra na história do campeonato carioca, um sétimo lugar, atrás até do Olaria.

Diante de tamanho desastre, o treinador do tri da década de 1940 é contratado pela diretoria. Mas o retorno à Gávea de Flávio Costa não é igualmente vitorioso. O time termina em quarto lugar em 1951 e é vice em 1952, perdendo o título para o Vasco. Pelo menos termina com o tabu de derrotas para os cruzmaltinos, em 1951, mas nada que segurasse o técnico no Clube.

Em 1953, chegou aquele que iria conduzir o Flamengo ao segundo tricampeonato da sua história. O paraguaio Fleitas Solich contrata os conterrâneos García, Chamorro e Benítez e junta-os a uma geração maravilhosa. Na defesa, a virilidade de Pavão e a habilidade de Jordan; no meio-campo, a técnica de Dequinha, Rubens, Paulinho e Moacir; na frente, um ataque habilidoso e goleador, formado por Joel, Índio, Henrique, Evaristo de Macedo, Zagallo e Dida; destaques da campanha do segundo tri conquistado em 1953/1954/1955.

No último ano do tri, a taça é levantada depois de uma melhor de três contra o América RJ, em que o Flamengo vence a primeira por 1 a 0, perde a segunda de goleada, 5 a 1, e devolve o placar dilatado na terceira, 4 a 1. Conquistado o segundo tri da sua história, o Fla não repete as brilhantes atuações nos campeonatos seguintes e termina em terceiro colocado em 1956 e 1957, sendo vice em 1958 e sexto lugar em 1959.

A década de 1950 foi uma das melhores da história do Rubro-Negro. Se não venceu nenhum campeonato no remo, pelo menos no futebol foi tricampeão carioca e revelou craques até para a seleção brasileira campeã mundial em 1958. Tanta emoção vitimou um dos maiores presidentes da história do clube. Gilberto Cardoso, um símbolo do amor rubro-negro, faleceu devido ao um infarto depois da emocionante final do campeonato carioca de basquete de 1955, decidida no último segundo. O Flamengo perdeu um dos seus mais dedicados filhos numa época gloriosa.

Uma década não muito feliz

A década de 1960 não começou bem para o Fla. Além da quarta colocação campeonato carioca, a renúncia do presidente George Fernandes por causa de dívidas do clube serviu para tumultuar ainda mais o ambiente rubro-negro. Fadel Fadel assume e dá sorte. No seu primeiro ano, em 1961, o Flamengo conquista o Torneio Rio-São Paulo, sendo a primeira taça de nível nacional que vem para a Gávea. Surge a geração de Carlinhos, Nelsinho, Gerson, Jaime, Silva e Almir.

Em 1963, o Flamengo impede o tricampeonato carioca do Botafogo. Começa mal o campeonato, com duas derrotas, para América e Bangu. Mas se recupera e não perde mais nenhuma partida até o fim da campanha. Depois do terceiro lugar em 1964, o Flamengo tem um maravilhoso ano em 1965, ganhando o Campeonato Carioca e o Torneio do IV Centenário do Rio de Janeiro.

Entra a administração de Luiz Roberto Veiga Brito. Em 1966, um episódio marcante, mas nem tão feliz para o clube. O Flamengo perde a decisão do Campeonato Carioca para o Bangu e Almir Pernambuquinho, raçudo centroavante rubro-negro, não deixa a partida acabar ao iniciar a maior briga da história do Maracanã. Era uma época difícil para o futebol do Flamengo. Vivendo uma entressafra de craques e tendo como maior adversário o super-time do Botafogo, com Garrincha, Didi e Gerson, o time rubro-negro fica no jejum na segunda metade da década de 1960. Em 1969, tem a oportunidade de conquistar o título, mas perde para o Fluminense.

Depois de um fim de década nem tão bom para o futebol, o Fla começa a formar a geração que daria as maiores glórias para o clube no esporte. Zico, que chegara ao clube em 1967 pelas mãos do radialista Celso Garcia, já se destacava nas escolinhas rubro-negras. Em 1972, o Flamengo vence o campeonato carioca depois de sete anos e o jovem craque lidera o time juvenil no primeiro ano do bicampeonato da categoria - já havia estreado nos profissionais em 1971.

Neste ano ainda, outra grande alegria foi a conquista do Torneio do Sesquicentenário da Independência do Brasil. Porém, acontece um desastre também, que seria reparado somente nove anos depois. A goleada de 6 a 0 do Botafogo fere a alma da torcida rubro-negra.

A gênesis da Geração de Ouro

Em 1974, Zico passa a titular da equipe principal do Flamengo e ganha o seu primeiro título como profissional, em cima do Vasco, campeão brasileiro do mesmo ano. O craque rubro-negro dá uma pequena amostra do que seria capaz de proporcionar ao clube.

Nos dois anos seguintes, não teve como superar o Fluminense e sua máquina tricolor. O presidente Francisco Horta montou um grande time, não deixando chance para os rivais, e conquistou o bicampeonato carioca.

Mas a espera valeu a pena. Em 1978, o Flamengo conquistou um dos títulos mais marcantes da sua história. Impediu o bicampeonato do Vasco vencendo a partida no final - gol de Rondinelli de cabeça - e deu início à campanha do seu terceiro tricampeonato carioca, completado em 1979 com dois títulos em um ano.

Era o início de um grupo que brilharia intensamente na década de 1980. Os talentos incipientes de Júnior, Andrade, Zico e Tita, a categoria veterana de Carpegiani e Raul, coadjuvantes mais que brilhantes como Rondinelli e Cláudio Adão e os que ainda estavam por vir, como Leandro, Figueiredo, Mozer, Adílio, Júlio César "Uri Geller", das divisões de base da Gávea, e Nunes, Baltazar e Lico.

A era Zico - Os anos 80

A década de 80 foi a época mais importante na história do Flamengo. Ao conquistar três vezes o Campeonato Brasileiro, uma vez a Taça Libertadores da América e o Campeonato Mundial Interclubes, o Flamengo, que contava com craques do nível de Raul, Leandro, Marinho, Mozer, Rondinelli, Carpegiani, Júnior, Andrade, Adílio, Zico, Nunes, Tita e Lico foi considerado O Time da Década.

Embora já possuísse a maior torcida do Brasil, o Flamengo só conquistaria o Campeonato Brasileiro a partir da década de 80. Com Zico na equipe, o rubro-negro conquistou seu primeiro título brasileiro em 1980. No ano seguinte, levantou a Taça Libertadores da América em sua primeira participação e, depois, o Mundial de Clubes ao bater o Liverpool da Inglaterra, por 3 a 0, em Tóquio. Zico ganhou o prêmio de melhor jogador da decisão, coroando o melhor ano da história do Clube, que conquistou três títulos em apenas doze dias - o terceiro foi o Campeonato Carioca.

Nos anos seguintes, o Flamengo de Zico ainda continuou conquistando títulos. Sagrou-se bicampeão brasileiro em 1982 e 83. Neste mesmo ano, Zico deixou o clube para ir jogar na Udinese (Itália). Dois anos depois, voltou ao Brasil. Em 1987, foi um dos principais responsáveis pela conquista do Campeonato Brasileiro de 1987 (Copa União). Em um time onde orientava os jovens Bebeto, Leonardo, Ailton, Zinho, e contava com os experientes Leandro, Andrade, Aldair e Renato Gaúcho.

Em 1988, apesar do Flamengo ainda possuir Zico e todo o grande elenco do ano anterior, foi superado pelo Vasco da Gama no Campeonato Carioca, sendo derrotado quatro vezes consecutivas para a equipe cruzmaltina do artilheiro Romário e assim permitindo o bicampeonato vascaíno. Nessa época, uma das grandes dificuldades do Flamengo foi os constantes problemas de joelho de Zico, que quase sempre abandonava os campos antes do final da partida. Após o fim do Campeonato Carioca, vários titulares importantes deixaram o clube, como Andrade, Renato Gaúcho, Leandro e Edinho (que se transferiu para o Fluminense). Não contratando substitutos à altura, o Flamengo teve participação regular no primeiro turno da competição. Permitiu a quinta vitória consecutiva do arqui-rival Vasco, porém teve algumas vitórias marcantes (5 a 1 sobre o Guarani). No segundo turno, já estando sob o comando do técnico Telê Santana, o time perdeu vária partidas e estava prestes a perder suas chances de classificação.

Até que chegou o dia em que o Flamengo enfrentaria o já classificado Fluminense, no famoso Fla-Flu. A equipe tricolor zombou da equipe rival, dizendo coisas como "fechar o caixão do Flamengo". Porém, com uma vitória através de um gol do artilheiro Bebeto, o Flamengo iniciou sua empreitada rumo à classificação. Este Fla-Flu foi marcado pela estréia do então júnior rubro-negro Marcelinho Carioca no futebol profissional. A partir dessa vitória, o Flamengo não mais foi derrotado no segundo turno, seguindo vencendo e empatando. Na última rodada, o Flamengo teve dois desafios: vencer o Atlético Mineiro e superar o São Paulo na classificação. Ambos adversários eram concorrentes diretos a uma das vagas para a segunda fase. O Flamengo havia feito sua parte no Maracanã, ao vencer a equipe mineira por 2 a 0, gols de Zinho e do ex-atleticano Sérgio Araújo. Mas o São Paulo vencia o seu jogo contra o Goiás por 1 a 0, e conquistava a vaga. Até que, num gol do jogador goiano Jorge Batata, o tricolor paulista cedeu o empate e também a vaga, pois Flamengo e São Paulo tinham o mesmo número de pontos, mas o Flamengo possuía maior número de vitórias.

Em janeiro de 1989, teve início a segunda fase do confuso Campeonato Brasileiro de 1988, e o Flamengo tinha como adversário o Grêmio, dos então jogadores Paulo Bonamigo e Cuca . O rubro-negro ainda estva sob comando do técnico Telê Santana. Após empatar em 0 a 0 no Estádio Olímpico, a equipe carioca foi derrotada por 1 a 0 no jogo de volta no Maracanã, gol de Cuca, graças a um erro grosseiro do jogador rubro-negro Delacir (que foi afastado definitivamente da equipe após esta partida). Pelo Campeonato Carioca do mesmo ano, o Flamengo fez um ótimo primeiro turno, goleando o Fluminense de Edinho por 4 a 0 (uma goleada que afundou numa crise o tricolor carioca e causou a demissão de Edinho devido à uma briga com um dirigente ainda nos vestiários) empatando em 1 a 1 com o Botafogo (num jogo polêmico onde o jogador alvinegro Paulinho Criciúma marcou o gol de desempate no mesmo instante do apito final do árbitro) e decidindo de forma invicta a Taça Guanabara num jogo numa tarde de domingo contra o já eliminado Vasco. Os vascaínos estavam muito confiantes por haverem ganho as cinco partidas anteriores, e pretendiam ganhar a sexta e assim fazer a Sena sobre o arqui-rival. O Vasco ainda contava com a maioria dos algozes rubro-negros remanescentes do bicampeonato, como Acácio, Geovani, Bismarck, Mazinho, Vivinho, Zé do Carmo, Cocada e o jovem goleador Sorato. O jogador Zé do Carmo chegou a dizer que "perder para o Flamengo seria o fim do mundo". Mas foi o dia da vingança: Com dois gols de Bebeto e um de Renato (ex-América), e Bismarck para o Vasco (3 a 1), o Flamengo se vingou dos adversários, impediu a sexta vitória vascaína e conquistou em festa a Taça Guanabara, derrotando também o Botafogo, concorrente direto ao título. Durante a festa, a torcida rubro-negra gritava o coro: Ê,Ô, A SENA ACUMULOU!

Porém, no segundo turno, após empatar em 3 a 3 com o Botafogo num jogo praticamente ganho, onde Zico abriu o marcador com um golaço de falta e o zagueiro Gonçalves estragou a vitória do Flamengo ao fazer um gol contra e permitir a reação do adversário, e perder duas partidas (Itaperuna e Vasco), o rubro-negro entregou a Taça Rio ao invicto Botafogo, que mais tarde se sagraria campeão carioca sobre o mesmo Flamengo, após 20 anos de jejum de títulos. Pelo Campeonato Brasileiro de 1989, o Flamengo teve participação discreta, porém com algumas vitórias expressivas, como 2 a 0 (gols do júnior Bujica) sobre o rival Vasco, que já possuía o ex-rubro-negro Bebeto no seu elenco. Outra grande vitória aconteceu quando Zico fez sua última partida oficial pelo clube, numa goleada de 5 a 0 sobre o Fluminense em Juiz de Fora, onde o ídolo abriu o placar com um belíssimo gol de falta (em soma, no ano de 1989 o Flamengo marcou dez gols no Fluminense e não sofreu nenhum. As vitória foram 4 a 0 e 1 a 0 no Campeonato Carioca e 5 a 0 no Campeonato Brasileiro). Em 1990, diante de um Maracanã lotado, Zico faria a sua partida de despedida do Flamengo.

No Flamengo, Zico foi muitas vezes artilheiro do Estadual de Futebol de Rio de Janeiro e também do Campeonato Brasileiro de Futebol. Um grande feito para um jogador de meio campo. O craque também foi diversas vezes eleito o melhor jogador do Brasil, da América e do Mundo por revistas e jornais especializados em futebol.

Pós-Zico

Os primeiros anos sem Zico, mesmo sem ele, foram de glória para o Flamengo. O time conquistou a Copa do Brasil em 1990, o Estadual do Rio, em 1991 e o Campeonato Brasileiro em 1992. Nesta época, se destacaram no Rubro-Negro alguns jogadores consagrados, como Júnior, e outros despontando para uma carreira brilhante, como Renato Gaúcho e Zinho.

No período de 1990 até os dias de hoje o Flamengo teve como ídolos os craques: Sávio, Athirson, Júlio César, Adriano, Gilmar, Romário, Petkovic, Edílson, e com uma saída um tanto conturbada, o habilidoso Felipe.

Após o título brasileiro de 1992, na final contra o Botafogo, o clube entrou em uma grande crise financeira e as conquistas nacionais e internacionais tornaram-se menos freqüentes. Em 1995, ano do seu centenário, o radialista Kleber Leite assumiu a presidência do clube e contratou o atacante Romário, então o melhor jogador do mundo, que estava no Barcelona.

Mesmo com Romário (que nesse ano brigava contra Túlio e Renato Gaúcho pelo "título" de Rei do Rio) e outros craques que foram contratados, como Edmundo e Branco, o ano do centenário rubro-negro não foi vitorioso. O Flamengo conquistou apenas a Taça Guanabara com três gols de Romário contra o Botafogo.

Em 1996, o Flamengo conquista de forma invicta o Campeonato Carioca de Futebol e a Taça Guanabara, vencendo o Clube de Regatas Vasco da Gama no último jogo da Taça Rio e conquistando o título por antecipação, sem a necessidade de uma final. Romário foi o artilheiro do estadual, e Sávio o destaque da campanha do Flamengo na Copa Ouro Sul-Americana, onde o Rubro Negro sagraria-se campeão,Sávio terminou a competição como artilheiro ao marcar 3 vezes contra o São Paulo na final. Este foi o terceiro título internacional oficial do Flamengo.

Em 1999, assumiu Edmundo dos Santos Silva e, com ele, veio um contrato milionário com a empresa de marketing esportivo ISL. Apesar de campanhas ruins no Campeonato Brasileiro, o Flamengo se destacava em outras competições, tanto que sagrou-se tricampeão estadual (1999, 2000 e 2001) todas elas em cima do Vasco. Ganhou a Copa Mercosul em 1999 e a Copa dos Campeões, em 2001, dom destaque para jogadores como Edílson, Petkovic, Júlio César, Juan e Gamarra. Neste mesmo ano, o Flamengo iniciou uma série de campanhas pífias no Campeonato Brasileiro em que lutava contra o rebaixamento.

Em 2002, Edmundo dos Santos Silva foi afastado da presidência acusado de desviar dinheiro do clube. A ISL também faliu e o clube ficou sem seu parceiro milionário e sem os reforços que tinha trazido, como Denílson, Vampeta e Alex. Sem dinheiro para grandes contratações, o Flamengo não conseguiu formar equipes competitivas e por pouco não foi rebaixado no Campeonato Brasileiro em 2002, 2004 e 2005.

Em 2003 e 2004, ainda conseguiu chegar a final da Copa do Brasil. No primeiro ano, perdeu para o Cruzeiro. Na segunda vez, perdeu para o Santo André, no ano em que conquistou seu 28º título estadual em cima do rival Vasco da Gama, comandando por Ibson, Felipe, Jean e Zinho, e com grandes atuações do lateral Roger, principalmente nos clássicos contra o Fluminense.

Em 2006, chegou pela quinta vez à final da Copa do Brasil, porém desta vez consegue conquistar o título sobre o rival Vasco, ganhando novamente um título nacional, o que não acontecia desde 2001 com a conquista da Copa dos Campeões.

A conquista da Copa do Brasil de 2006, sob o comando do recém-chegado treinador, Ney Franco, afirmou a empatia de Obina com a torcida e a importância dos meias Jonatas e Renato para a equipe.

Este título chegou a repercutir internacionalmente, tanto que a FIFA fez uma matéria em seu site oficial com o título "Flamengo: a sleeping giant awakens". A tradução seria "Flamengo: o despertar de um gigante adormecido". O link para o site encontra-se nas referências externas.

Em 2007, paralelo a disputa da Taça Libertadores da América, o Flamengo conquista a Taça Guanabara 2007. Esta que foi a 17ª vez que o clube levanta a taça, sendo o maior vencedor da mesma. Na final contra o Botafogo, o Flamengo empata ambos os jogos em 2x2 e, nos pênaltis (4x2), sagra-se Campeão Carioca de 2007, o 29° título estadual de sua história.

No Campeonato Brasileiro de 2007, o Flamengo consegue uma reação inédita na história da competição. Sai da penúltima posição (21ª) para a terceira (3ª), conseguindo uma vaga na Taça libertadores da América de 2008. Neste ano, o destaque também fica por conta da torcida do clube, que consegue bater os recordes de público, consagra algumas canções, e recebe o título de Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro.

Título recorde e nova frustração em 2008

Para a nova temporada de 2008 o clube renova o contrato de Joel Santana e contrata reforços para a disputa da Copa Libertadores. No primeiro turno do Campeonato Carioca conquista o décimo oitavo título da Taça Guanabara e, posteriormente na final, seu trigésimo Campeonato Carioca, ambos sobre o Botafogo. Com o trigésimo título estadual, o Flamengo empatou com o Fluminense em quantidade de títulos, possuindo ambos trinta até então.

Na primeira fase da Copa Libertadores consegue três vitórias no Maracanã e uma na cidade de Cuzco, vencendo o Cienciano por 3 a 0. Na mesma fase ainda empata e perde em dois jogos, resultando na primeira colocação do seu grupo e na segunda melhor campanha desta fase do campeonato, com 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota.

Nas oitavas de final da Copa Libertadores, em meio à disputa dos jogos finais do Campeonato Carioca, o Flamengo enfrenta o América do México. No primeiro jogo aplica uma goleada de 4 a 2 sobre o adversário, em pleno Estádio Azteca. Contudo, no jogo de volta é novamente eliminado nas oitavas de final, perdendo a partida no Maracanã por 3 a 0. O jogo marcava a despedida de Joel Santana, contratado para comandar a Seleção da África do Sul, país sede da Copa do Mundo de 2010.

No Campeonato Brasileiro, já sob o comando do novo técnico Caio Júnior, o Flamengo teve um início avassalador, chegando ao final da 11ª rodada abrir cinco pontos de diferença para o segundo colocado, o Grêmio. Porém nas sete rodadas seguintes o time só somou dois pontos, caindo para a sétima colocação. Foi recuperando posições ao longo do segundo turno, porém pontos preciosos perdidos em casa custaram-lhe não só a chance de conquista do título quanto a classificação para a Copa Libertadores de 2009. Porém, com o descenso do seu maior rival Vasco da Gama à Série B do Campeonato Brasileiro, o Flamengo tornou-se o único clube carioca a jamais ser rebaixado.

2009 - O Rio tem novo rei

Para 2009, o Flamengo trouxe para o lugar de Caio Júnior o técnico Cuca, que já tinha passado pelo clube em 2005, sem muito sucesso. Apesar da manutenção da base do time de 2008, a falta de contatações de peso em comparação com os outros clubes, e o currículo modesto do novo treinador, deixavam uma impressão de que o Flamengo não repetiria as campanhas anteriores.

A primeira competição em disputa foi o Campenato Carioca. Na Taça Guanabara, o time sofreu para derrotar adversários tecnicamente inferiores, normalmente marcando gols nos últimos minutos de jogo, mas ainda assim conseguiu se classificar na primeira posição do seu grupo. Nas semifinais uma derrota inesperada para o Resende por 3 a 1, deixou um alerta sobre a continuidade da equipe na competição. Na Taça Rio, o time encerrou a fase de classificação novamente em primeiro lugar no seu grupo, desta vez superando o Fluminense na semifinal e Botafogo na final da Taça Rio, conquistando o título e o direito à disputa do estadual.

Nas finais, assim como em 2007, as duas partidas foram emocionantes, ambas terminando empatadas em 2 a 2, o que levou a decisão para os pênaltis. Assim como no ano anterior, o destaque esteve por conta do goleiro Bruno, que defendeu dois pênaltis e garantiu o título para o Flamengo e o primeiro da carreira do técnico Cuca. O título marcou o quinto tricampeonato estadual do clube, e o deixou pela primeira vez líder absoluto em número de conquistas estaduais: 31, contra 30 do Fluminense.

Na Copa do Brasil, o clube avançou as duas primeiras fases com facilidade. Precisou de apenas uma partida para eliminar Ivinhema e Remo por 5 a 0 e 2 a 0, respectivamente. Nas oitavas-de-final enfrentou o Fortaleza, e quase complicou a classificação ao empatar no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, por 0 a 0. A dificuldade de precisar definir a classificação fora de casa não se confirmou, e o Flamengo venceu por 3 a 0 sem maiores sustos. Nas quartas de final o primeiro confronto contra um time da Série A. No primeiro confonto contra o Internacional no Maracanã, empate por 0 a 0, e o time seguia sem sofrer gols na competição. Mas no jogo da volta no Beira-Rio acabou sofrendo uma derrota por 2 a 1 que encerrou a participação do clube na competição nacional.

Em 22 de julho de 2009, Cuca foi demitido do clube. Com Andrade como substituto, o time embalou no Campeonato Brasileiro e, com uma grande recuperação no segundo turno, assumiu a liderança na penúltima rodada, após vencer o Corinthians por 2 a 0 e com a derrota do São Paulo de 4 a 2 para o Goiás. Em 6 de dezembro o clube precisava vencer para confirmar o título, num jogo tenso contra o Grêmio que saiu na frente no placar, mas virou o jogo para a 2 a 1 e conquistou a taça de campeão após 17 anos.

2010 - O risco de rebaixamento e a crise

Em 2010, o Flamengo apostava em conquistar diversos títulos e para isso, trouxe como reforço o atacante Vágner Love. Adriano e Vágner passaram a formar uma dupla de ataque que muitos torcedores apelidaram como "Império do Amor". Na Taça Guanabara foi eliminado na semifinal pelo Botafogo pelo placar de 2 a 1. Na Taça Rio voltou a perder para o Botafogo pelo mesmo placar, desta vez na final terminando a esperança do Tetracampeonato..

Já na Copa Libertadores da América, o Flamengo classificou-se na última vaga para as oitavas-de-final, após uma campanha com três vitórias, um empate e duas derrotas. Mesmo com a classificação apertada, o treinador Andrade foi demitido. O Flamengo foi eliminado da competição pelo Universidad de Chile, no critério do gol fora-de-casa (perdeu por 3 a 2 no Maracanã e venceu por 2 a 1 em Santiago). Após a eliminação, Adriano e Vágner Love deixaram o rubro-negro. No segundo semestre, o Flamengo começou o Campeonato Brasileiro de forma irregular, o que ocasinou a demissão do técnico Rogério Lourenço, mas continuaram os maus resultados, e Silas também foi demitido. No dia 5 de outubro, foi anunciado o novo técnico, Vanderlei Luxemburgo, que assumiu o comando com a missão de tirar o Flamengo de perto da zona de rebaixamento e com a meta de classificar a equipe para a Copa Sul-Americana de 2011. Após findar com o risco de rebaixamento na penúltima rodada, o Flamengo ficou com a última vaga para a competição sul-americana e finalizou o Campeonato Brasileiro como a equipe com mais empates (17).

Partidas Históricas

Flamengo 16x2 Mangueira - Primeiro Jogo de Futebol do Flamengo - 1912 (Primeiro Jogo)
Flamengo 2x1 América - Final do Campeonato Carioca de 1927 (O guerreiro Moderato)
Flamengo 2x2 Fluminense - Final do Campeonato Carioca de 1941 (O Fla x Flu da Lagoa)
Flamengo 3x1 Arsenal - Amistoso em 1949 (Que jogo)
Flamengo 4x1 América - Final do Campeonato Carioca de 1955 (Um show do Rolo Compressor)
Flamengo 1x0 Vasco - Final do Campeonato Carioca de 1978 (Inesquecível gol de Rondinelli)
Flamengo 5x1 Atlético-MG - Amistoso - 1979 (Pelé com a camisa do Flamengo)
Flamengo 6x0 Botafogo - Campeonato Carioca de 1981 (A vingança dos 6x0)
Flamengo 2x0 Cobreloa - Final da Taça Libertadores de 1981 (A conquista da América)
Flamengo 3x0 Liverpool - Mundial Interclubes de 1981 (A conquista do Mundo)
Flamengo 1x0 Grêmio - Final do Campeonato Brasileiro de 1982 (Calando a boca do Leão)
Flamengo 4x1 Fluminense - Campeonato Brasileiro de 1986 (Zico Bichado?)
Flamengo 1x0 Internacional - Final do Campeonato Brasileiro de 1987 (Tetracampeão em uma década)
Flamengo 2x0 Vasco - Campeonato Brasileiro de 1989 (O herói Bujica)
Flamengo 2x2 Seleção do Mundo - Amistoso - 1990 (Flamengo contra o Mundo)
Flamengo 3x0 Botafogo - Final do Campeonato Brasileiro de 1992 (Olé ainda no primeiro tempo)
Flamengo 2x2 Botafogo - Final do Campeonato Brasileiro de 1992 (Vovô Garoto traz o Penta)
Flamengo 3x2 Botafogo - Final da Taça Guanabara de 1995 (Romário é rei)
Flamengo 1x0 São Paulo - Final da Copa dos Campeões Mundiais de 1997 (Fla é o melhor dos melhores)
Flamengo 3x3 Palmeiras - Final da Copa Mercosul de 1999 (De volta ao cenário internacional)
Flamengo 3x1 Vasco - Final do Campeonato Carioca de 2001 (Petkovic eterno, Vasco vice)
Flamengo 5x3 São Paulo - Final da Copa dos Campeões de 2001 (Jogaço na Paraíba)
Flamengo 2x3 São Paulo - Final da Copa dos Campeões de 2001 (Campeão dos campeões é o Fla)
Flamengo 4x3 Fluminense - Taça Guanabara de 2004 (Fla x Flu eletrizante)
Flamengo 3x2 Fluminense - Final da Taça Guanabara de 2004 (Roger: o carrasco)
Flamengo 3x1 Vasco - Final do Campeonato Carioca de 2004 (Três vezes Jean, Vasco vice de novo)
Flamengo 2x0 Vasco - Final da Copa do Brasil de 2006 (Cheiro de título no ar)
Flamengo 1x0 Vasco - Final da Copa do Brasil de 2006 (Vice pra sempre)
Flamengo 2x2 Botafogo - Final do Campeonato Carioca de 2007 (Título nos pênaltis)
Flamengo 3x1 Botafogo - Final do Campeonato Carioca de 2008 (Brilha a estrela de Joel Santana)
Flamengo 2x2 Botafogo - Final do Campeonato Carioca de 2009 (Penta tri)
Flamengo 2x1 Grêmio - Campeonato Brasileiro de 2009 (Jogo do Hexa)

Grandes Elencos

Elenco atual

Goleiros
Jogador
1 Felipe
37 César
38 Luan
48 Paulo Victor
50 João
Defensores
Jogador Pos.
3 Chicão Z
4 Samir Z
6 Erazo Z
14 Wallace Z
33 Frauches Z
35 Fernando Z
53 Nicollas Z
- Marcelo Z
2 Léo Moura LD Capitão.png
21 Léo LD
52 Roberth LD
16 João Paulo LE
27 André Santos LE
56 Jorge LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
5 Cáceres V
8 Márcio Araújo V
15 Muralha V
25 Luiz Antônio V
30 Recife V
40 Amaral V
55 Léo Henrique V
7 Elano M
10 Lucas Mugni M
17 Gabriel M
22 Éverton M
31 Mattheus M
54 Renan Donizete M
Atacantes
Jogador
9 Hernane
11 Negueba
18 Igor Sartori
19 Alecsandro
26 Paulinho
29 Nixon
39 Arthur
57 Cafu
59 Douglas Baggio
- Darlan
Técnico
Ney Franco



















Comissão Técnica

Lente.pngVer artigo: Comissão Técnica do Futebol

Nome Cargo
Joel Santana Técnico
Marcelo Sales Auxiliar Técnico
Jaime de Almeida Auxiliar Técnico
Maurício Albuquerque Auxiliar Técnico
Ronaldo Torres Preparador Físico
Marcelo Martorelli Preparador Físico
Daniel Guimarães Preparador Físico
Cantareli Preparador de Goleiros
Sérgio Helt Coordenador
José Luiz Runco Médico
Marcelo Soares Médico
Luiz Claudio Baldi Médico
Serafim Borges Médico
Márcio Tannure Médico
Fabiano Bernardes Bastos Fisioterapeuta
Mario Peixoto Fisioterapeuta
Adenir Silva Massagista
Russo Massagista
Jorginho Massagista
Claudio Pavanelli Fisiologista
Sílvia Ferreira Nutricionista
Leonardo Acro Nutricionista
Babão Roupeiro
Cláudio Barata Roupeiro
Clébinho Roupeiro

Categorias de Base

Artilheiros

Lente.pngSeguir para o artigo Artilheiros

Cronologia

Cronologia

Títulos

Principais Títulos

Legenda:

* Títulos conquistados sem derrota - invicto
** O Flamengo conquistou 31 títulos do Campeonato Carioca, em 5 tricampeonatos

Internacionais

Nacionais

Regionais

Estaduais

Todos os Títulos

Ver também

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas