Libras

Notícias

Carolina Wilke apresenta trabalho no World Congress on Science & Football, na AUS

Coordenadora Científica do CUIDAR faz parte de profissionais renomados das ciências do esporte em um dos mais relevantes congressos da área

Por - em
No último mês de abril a Coordenadora Científica do CUIDAR, Carolina Wilke, concluiu seu doutorado através da parceria entre a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade de Tecnologia de Sidney, na Austrália, e parte desse projeto resultou no trabalho “Faster and Slower Post-Training Recovering: Multifactoral Classification of Recovery Profiles in Futsal”. Seus estudos e o artigo culminaram em uma participação muito especial: apresentar seu trabalho na nona edição do World Congress on Science & Football, realizado em Melbourne, na Austrália, de 4 a 7 de junho.
 
“Eu submeti esse trabalho, que é uma parte do meu projeto de doutorado, ao Congresso no ano passado e ele foi aceito em formato de apresentação oral. Isso mostra que tem relevância para a comunidade do esporte”, celebra a profissional do CUIDAR.
 
Em entrevista exclusiva ao site oficial do Flamengo, Carolina Wilke desmembra as principais experiências de sua participação no evento e nos dá uma visão geral do estudo apresentado.
 
 
Objetivo do estudo
“O estudo teve como objetivo tentar entender quais são aqueles atletas que, depois de um treino, no dia seguinte, já estão prontos para treinar de novo, e outros que demoram dois, três dias, dependendo do treino, para recuperar, por exemplo. Então essa foi uma proposta, um formato que a gente fez, de olhar a recuperação do atleta de uma forma multifatorial, levando em consideração a fisiologia, o desempenho físico, e alguns fatores de percepção, ou seja, psicológicos também, e entender se, juntando tudo isso, a gente conseguia entender quais eram aqueles atletas que recuperam mais rápido e quais aqueles atletas que demoram mais para recuperar depois de um treino.”
 
Apresentação e Feedback
“Foi muito legal porque foi muito bem aceito. É uma proposta diferente de análise de recuperação e o feedback que a gente teve de pesquisadores da Inglaterra, Austrália, compreendendo que talvez realmente análises como essas possam nos ajudar a entender quais aqueles atletas a gente precisa mesmo utilizar estratégias a mais de recuperação como crioterapia, massagem, tirar talvez do treino, e quais aqueles atletas que a gente pode deixar treinando sem muito risco.”
 
“É ainda uma ideia, algo mais teórico, mas que tem uma possibilidade prática bem legal. Complexo em termos de teoria, mas com possibilidade de aplicação prática interessante e, a partir de alguns resultados que a gente já tem do clube em termos de monitoramento de atletas, a gente vai tentar começar a implementar ou pensar nisso no Flamengo.”
 
Aplicação prática no CUIDAR
“Em relação à ligação com o CUIDAR, eu acho que é essa mesmo a ideia de olhar o atleta de uma forma multifatorial e ajudá-lo da forma mais específica possível em relação às demandas que ele tem.”
 
A complexidade do processo esportivo
“Uma mensagem importante que ficou pra mim aqui no Congresso em várias palestras que foram feitas é a complexidade do processo esportivo, que não é novidade pra gente, mas a complexidade que é identificar, desenvolver e manter a alta performance dos atletas, a necessidade de profissionais de diferentes áreas qualificados e baseados em evidências para que os atletas tenham o melhor apoio e melhor desempenho possível; e  dentro de toda essa complexidade a necessidade de simplificar ou deixar o mais prático possível as nossas ações.”
 
“Precisamos saber tirar as informações dessas análises, saber usar esses números que têm por aí, saber usar todas as informações que a gente tem dos atletas da forma mais prática possível. Essa, para mim, é a mensagem que fica. Fica também a mensagem que a gente está seguindo no caminho certo, com os princípios que o CUIDAR também traz. Ainda temos muito o que percorrer para que consigamos chegar onde a gente entende que é o ideal, mas a direção está correta. Do complexo, do entender, para o simples, para o prático.”

Além do World Congress on Science & Football, a Coordenadora Científica do CUIDAR aproveitou sua passagem pelo país aussie para participar ainda de um Simpósio organizado pela Universidade de Tecnologia de Sidney. O nome traduzido seria "Temas Relevantes e Controversos no Esporte de Alto Rendimento". De acordo com Carolina, o encontro foi engrandecedor.

"Foi apenas um dia de congresso, mas com nomes muito expressivos no esporte mundial, e com foco muito prático, o que deixou óbvia a necessidade da prática baseada em evidência, e do desenvolvimento da ciência dentro do esporte de alto rendimento - o que novamente vai de encontro com os ideais que o CUIDAR vem implementando no Flamengo", finalizou.

Entre os palestrantes estavam o Diretor de Performance do Boston Celtics e do New England Patriots, e Gerente de Ciências do Esporte do AS Roma e o Diretor da Faculdade de Ciências do Esporte da UTS.