Libras

Notícias

Abel ressalta espírito da equipe e explica estratégia para enfrentar o Ajax

Treinador volta a comandar o Flamengo depois de 15 anos

Por - em


Depois de longos 15 anos, Abel Braga voltou a comandar o time do Flamengo. O treinador teve pouquíssimo tempo para trabalhar e colocou em campo a espinha dorsal vice-campeã brasileira de 2018 para enfrentar o Ajax, na estreia do Flamengo na temporada e na Florida Cup. No final, o empate em 2 a 2 levou o jogo para os pênaltis, onde seu time venceu por 4 a 3 e se habilitou para a decisão do torneio contra o Eintracht Frankfurt, no próximo sábado, às 19h (Brasília). 

Durante todo o jogo, Abel gesticulou bastante com seus jogadores no sentido de orientar o time em campo. No primeiro tempo, o Flamengo entrosado que terminou 2018 sentiu um pouco a falta de ritmo contra uma equipe que vem jogando regularmente (está nas oitavas da Liga dos Campeões e é segunda colocada no campeonato holandês) e ficou atrás no placar duas vezes. Uribe, com talento e oportunismo, empatou a partida. Já na etapa final, com o time bem modificado, o Ajax teve mais chances, mas esbarrou na raça rubro-negra. Abel reconheceu a força de seus jogadores após a partida e falou sobre a estratégia adotada.

"Formamos a estratégia de jogar esperando. Não tínhamos condição nem tempo de treinamento para tentar marcar mais alto. Foram seis dias contra seis meses. Mas minha estratégia é diferente. É marcar mais alto. E hoje foi o contrário. Eu sabia que eles jogariam assim, fizeram isso contra o Bayern de Munique. Em campo, no início da temporada, a perna pesa, é a falta de ritmo. Mantive a equipe que vinha jogando e saio muito satisfeito. Temos que subir o primeiro degrau, mas não estar preocupado e olhar o final da escada", declarou o treinador na entrevista coletiva ainda no Orlando City Stadium.

Quando chegou ao Flamengo no início de janeiro, Abel mencionou estar com fome de títulos. Novamente o treinador abordou o assunto, mas passou aos jogadores, que também nutrem o sentimento e querem conquistar troféus nesta temporada. Descartando o favoritismo, Abel mostrou que para o Flamengo ser campeão, depende do time fazer o seu papel. 

"Ser campeão é um desafio. Vamos entrar para ganhar muita coisa. É preciso ter um pouquinho de sorte e estamos com fome. O favoritismo é ruim. A cobrança parte de nós mesmos. Tem que saber lidar com o lado mental. Hoje subimos um degrau", completou o treinador.