Libras

Notícias

Em “Meu Jogo Inesquecível”, Zico elege a final da Libertadores de 81

Eterno ídolo do Mengão conta na FlaTV detalhes sobre o jogo que terminou com o título do torneio continental

Por - em
Na noite desta segunda-feira (04), a FlaTV recebeu ao vivo um convidado ilustre para participar do quadro “Meu jogo inesquecível”. Zico, o Galinho de Quintino e eterno ídolo da Nação Rubro-negra. O ex-craque elegeu a final da Libertadores de 1981 contra o Cobreloa (CHI) como a partida mais memorável de sua trajetória vestindo o Manto Sagrado. Confira abaixo os principais trechos.

Meu jogo inesquecível

“Foi o terceiro jogo da final da Libertadores de 81 contra a equipe do Cobreloa, sem dúvida. É uma grande recordação pra mim e acredito que seja para todos os rubro-negros, porque era o título que faltava ao Flamengo e acabou se tornando o mais importante da história do clube. Lógico que eu tive grandes jogos com a camisa rubro-negra, mas aquele teve um sabor especial pelas circunstâncias e dificuldades, pela vitória do futebol diante da violência, pela forma com que aquele time foi formado por três gerações do próprio Flamengo... Então, acho que foi merecido pela forma na qual a gente jogava e pela empatia com a torcida rubro-negra. Foram momentos maravilhosos que culminaram com aquela vitória (2 a 0) sobre o Cobreloa, que era um bom time, apesar de querer  ganhar no grito, mas futebol não é isso”.

Problemas na segunda partida da final

“O problema maior foi no momento que eles fizeram o gol. Teve confusão e os policiais tiveram que entrar em campo. Soltaram cachorro em cima do Júnior e aí foi um problema sério. Depois do jogo queriam até levar o Júnior preso por causa daquela confusão toda, se já não bastasse o que eles tinham feito de acertar o supercílio do Lico e do Adílio. Parecia que nós estávamos dentro de um exército, num caldeirão cheio de policiais nos cercando em volta. Alguns até estavam com a arma apontada para o meio do campo, então foi algo bem assustador”.

Terceiro e decisivo jogo

“Nós tivemos sorte, porque o árbitro uruguaio Cerullo, que apitou o jogo, era um cara corretíssimo, bastante durão. Me lembro que tive duas situações com ele nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 86. Foi no jogo entre Brasil e Argentina, ele me expulsou junto com um jogador argentino para segurar o jogo. Então para nós foi uma tranquilidade quando soubemos que ele iria apitar a partida decisiva. E logo de cara, o Cerullo expulsou um jogador do Cobreloa que deu uma entrada dura, não me recordo em quem. Depois, o Andrade chegou forte no adversário e também levou o cartão vermelho. Então o árbitro era um homem correto e justo, que gostava de fazer o jogo fluir. Nós fizemos uma ótima partida, acho que o placar de 2 a 0 foi até pouco pela quantidade de oportunidades de gol que a gente teve. Mas o importante foi sair de campo com o título”.  

Desfalques na última partida

“Apesar dos desfalques que tivemos no último jogo, não chegou a nos preocupar. O Nei Dias, a gente tinha jogado juntos algumas vezes e com o Leandro improvisado no meio-campo também, junto com o Andrade. O Carpegiani já tinha feito isso numa final contra o Vasco, então a gente já sabia jogar dessa maneira. Com o Leandro atuando junto com o Andrade, ele me deu um pouco mais de liberdade e pediu para que eu jogasse junto do Nunes, não precisando voltar tanto. O Adílio também estava bem avançado pelo lado esquerdo. Atuamos praticamente no 4-4-2, com a marcação em cima para ver se conseguíamos fazer um gol nos primeiros 20 minutos. E foi o que aconteceu. Antes mesmo do gol, já havíamos tido umas duas ou três oportunidades para abrir o placar. Quando marcamos o primeiro gol, nos tranquilizamos. No segundo tempo então tivemos  mais chances de gol até sair o segundo. O posicionamento do Leandro ali no meio fez com que eu tivesse muito mais liberdade para atacar, funcionando muito bem”.

Comemoração do título

“Esse título foi com um pouco mais de emoção, porque tinham cerca de três mil rubro-negros presentes no estádio, sendo que a própria torcida uruguaia estava torcendo muito pelo Flamengo. Então, comemorar o título com parte da sua torcida ao lado é sempre melhor. Agora, bonito mesmo foi a nossa chegada no aeroporto. Queriam que a gente desfilasse de carro de bombeiro, mas todo mundo estava cansado, porque estávamos disputando algumas finais seguidas. Nós preferimos saudar os torcedores que estavam no aeroporto e todos foram para suas casas muito felizes”.

Quer assistir na íntegra? Clique aqui.