Libras

Notícias

A estrada para o Flamengo: Maria Clara Lobo

Por - em

Uma das principais atletas do nado artístico brasileiro, Maria Clara Lobo começou cedo nas piscinas e provou que o esporte está em seu sangue. Filha e neta de nadadoras artísticas que fizeram história com a Seleção Brasileira, ela começou a praticar a modalidade com apenas nove anos e foi logo mostrando que tinha talento para o esporte. Com participações nos Jogos Pan-Americanos de Toronto (2015) e na Olimpíada do Rio de Janeiro (2016), a atleta foi considerada a melhor do país na modalidade e recebeu o Prêmio Brasil Olímpico por dois anos consecutivos (2017 e 2018).

A série ‘A Estrada para o Flamengo’ desta semana conta a história de Maria Clara Lobo, uma das atletas mais importantes dos esportes olímpicos do Flamengo. Há onze anos vestindo as cores rubro-negras, a atleta conseguiu escrever seu nome na história do clube e do esporte olímpico nacional.

Maria Clara Lobo Coutinho
- Modalidade: Nado Artístico
- Nascimento: 03/09/1998
- Altura: 1,68m
- Naturalidade: Rio de Janeiro (RJ)

Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

O início
Desde pequena, Maria Clara Lobo acompanhava sua avó Ana Maria nas competições de nado artístico, onde ela atuava como árbitra. Quando decidiu praticar um esporte, a menina escolheu começar pela natação, mas logo foi se encantando pelo nado e resolveu ingressar na modalidade no Tijuca Tênis Clube. Rubro-negra desde pequena, Maria Clara chegou ao clube da Gávea em 2010 e realizou o sonho de vestir o Manto Sagrado.

Chegada ao Flamengo
Oriunda de família rubro-negra com muitas histórias dentro da Gávea, Maria Clara foi para o Flamengo em 2010, quando tinha apenas 11 anos. Na época, sua mãe Cristiana, que também foi uma grande atleta do nado artístico brasileiro, trabalhava no Mais Querido. Há 11 anos defendendo as cores rubro-negras, a atleta hoje escreve seu nome na história da modalidade do clube.

Principais conquistas na Seleção Brasileira
Em 2014, Maria Clara Lobo conseguiu garantir vaga para a Seleção Brasileira adulta, quando teve início a preparação para as Olimpíadas Rio 2016. Ela ficou com a sexta colocação na disputa por Equipe nos Jogos, somando 171.9985 pontos. A atleta também é pentacampeã por Equipe, tricampeã no Dueto e bicampeã no Solo em campeonatos sul-americanos de nado artístico. Já em Pan-Americanos, a nadadora foi duas vezes vice-campeã na prova de Dueto e medalhista de bronze no Solo. Em 2018, Maria Clara conquistou a medalha de prata nos Jogos Sul-Americanos de Cochabamba, na Bolívia, na disputa do Dueto Técnico. No Sul-Americano de Nado Artístico, realizado em novembro do mesmo ano, no Peru, a carioca também fez bonito e garantiu a prata na Rotina Livre.

Principais conquistas no Flamengo
Representando o Mais Querido, Maria Clara conquistou nove títulos brasileiros, além de diversos campeonatos estaduais. Em 2018, a rubro-negra foi eleita pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) como a melhor nadadora artística do país pelo segundo ano consecutivo, recebendo o Prêmio Brasil Olímpico.

Com tantas conquistas importantes em seu currículo, tanto nacionais quanto internacionais, Maria Clara Lobo é uma das atletas de referência do nado artístico brasileiro, qualificando ainda mais a equipe rubro-negra da modalidade. A atleta ainda tem chance de garantir uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados para o próximo ano.


As equipes de nado artístico do Clube de Regatas do Flamengo contam com recursos de seus patrocinadores – Banco Bonsucesso, Furnas, Estácio, LafargeHolcim/Cimento Mauá, EY – via Lei de Incentivo Federal/Ministério do Esporte (IR), além de apoio da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) proveniente da descentralização de recursos oriundos da Lei Pelé.