Libras

Notícias

A estrada para o Flamengo: Naná Almeida

Por - em

Com apenas dois anos de idade, Nathalia Almeida dava suas primeiras braçadas na piscina do Tijuca Tênis Clube, incentivada por seus pais, profissionais de educação física, provando que o esporte está em seu sangue desde pequena. Hoje, prestes a completar 24, Naná é presença constante nas convocações da Seleção Brasileira feminina de natação e já coleciona excelentes resultados em competições internacionais. A carioca chegou ao Flamengo em 2012 para, à princípio, atuar tanto no nado artístico quanto na natação. Pouco tempo depois, ela optou por seguir carreira como nadadora e se tornou uma das principais atletas da modalidade rubro-negra.

A série ‘A estrada para o Flamengo’ desta semana conta a trajetória de Nathalia Almeida, que, apesar de jovem, já conquistou seu espaço no cenário nacional e internacional da natação.

Nathalia Siqueira Almeida
- Modalidade: Natação
- Nascimento: 14/12/1996
- Estilo: 200m Medley
- Naturalidade: Rio de Janeiro, RJ

Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

O início
Nascida no Rio de Janeiro, Nathalia Almeida começou na natação com apenas dois anos de idade, dando suas primeiras braçadas na piscina do Tijuca Tênis Clube. Seus pais, professores de Educação Física, foram os grandes incentivadores da atleta na prática da modalidade, junto com seus dois irmãos, que também nadavam no clube tijucano. Ainda pequena, além da natação, Naná chegou a fazer outros quatro esportes: nado artístico, acrobacia, ginástica artística e ginástica rítmica. Além disso, nas horas vagas, a atleta aproveitava seu tempo para se dedicar ao ballet e ao jazz.

Chegada ao Flamengo
Buscando um clube que oferecesse uma estrutura melhor, Naná chegou ao Mais Querido em 2012 para integrar a equipe Juvenil 2. Outro fator importante que contribuiu para a vinda da atleta foi sua vontade de ser treinada pelo técnico Eduardo Pereira, que segue no comando da equipe rubro-negra atualmente. Hoje, totalmente adaptada à Gávea e às suas companheiras, a nadadora é um dos destaques da equipe Sênior feminina.

Principais conquistas na carreira
Em 2013, um ano após chegar ao Flamengo, Nathalia Almeida disputou o Mundial Júnior de Natação e ficou em quinto lugar nas provas de 4x100m Livre e 4x200m Livre. No ano seguinte, Naná conquistou a medalha de ouro no Sul-Americano da Argentina na prova dos 4x200m Livre e o bronze nos 200m Borboleta.

No campeonato pré-olímpico que definiu a equipe brasileira para os Jogos do Rio 2016, Nathalia bateu na trave na prova dos 200m Medley e por muito pouco não garantiu vaga nas Olimpíadas naquele ano.

Já no Mundial Militar (2018), disputado na Rússia, a nadadora fez bonito e conquistou o ouro. Na mesma temporada, a carioca assegurou a terceira colocação nos 200m Borboleta, no Sul-Americano do Peru (2018).

Representando o Mais Querido, Naná foi 14 vezes consecutivas campeã na prova dos 200m Medley em Campeonatos Brasileiros, fora as inúmeras disputas de Estaduais que a rubro-negra tem no currículo. Além disso, a atleta também garantiu uma medalha de ouro no Troféu Maria Lenk (2014).

Em novembro do ano passado, com autorização do clube da Gávea, Nathalia Almeida embarcou para a Hungria, mais especificamente para a cidade de Eger, onde começou a treinar com o técnico americano Shane Tusup, que já foi três vezes campeão olímpico. O objetivo da atleta era melhorar seu tempo para a seletiva olímpica dos 200m Medley, 400m Medley e Revezamento 4x200m Livre. Devido à pandemia, a competição foi adiada, assim como os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Naná retornou aos treinos na última semana na Gávea visando a preparação para as competições que estão por vir, entre elas, a seletiva olímpica, em que a atleta buscará a tão sonhada vaga nas Olimpíadas do próximo ano.


As equipes de natação do Clube de Regatas do Flamengo contam com recursos de seus patrocinadores – AmBev, Furnas e Rede D’or – via Lei de Incentivo Federal/Ministério do Esporte (IR), além de apoio do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) proveniente da descentralização de recursos oriundos da Lei Pelé.