Libras

Notícias

Flamengo conquista segundo lugar inédito no Brasileiro Sub-13 Misto de Polo Aquático

Equipe rubro-negra disputou a final da competição pela primeira vez

Por - em
A garotada rubro-negra mostrou que continua em franca evolução nas piscinas. Entre os dias 14 e 16 de setembro, na sede da Associação Brasileira A Hebraica, em São Paulo, foi disputado o Campeonato Brasileiro Interclubes Sub-13 Misto. Pela primeira na história, a equipe comandada pela técnica Illana Pinheiro fez uma brilhante campanha e chegou à final da competição, tornando-se vice-campeã.



Na fase de grupos, o Flamengo estreou com derrota para a ABDA por 10 a 6, e na segunda partida venceu o Botafogo por 20 a 3. Já nas quartas, o Mais Querido derrotou o SESI por 5 a 4 e avançou para as semifinais, onde conseguiu a vitória sobre o Inter de Santos pelo placar de 11 a 7. Na grande final, com o time bastante desgastado devido à sequência de jogos, o Rubro-Negro perdeu por 11 a 2 para o favorito Bauru e terminou a disputa na segunda colocação.

George Chaia, auxiliar técnico da equipe, avaliou a participação dos meninos no torneio.

“No primeiro semestre, nosso time já vinha mostrando ter um bom sistema defensivo e agora com a entrada do menino Caio Gomes, que é um atacante canhoto, ficamos mais equilibrados com a defesa e ataque bem consistentes. Mas o nosso ponto forte mesmo é a defesa e foi isso que facilitou a chegada da equipe até a final”, disse o técnico, completando. “Agora é continuar treinando firme para que na próxima competição possamos conquistar o título”.

Vale ressaltar que na edição anterior do campeonato, disputado no primeiro semestre deste ano, o time da Gávea ficou apenas na quinta colocação. Mais uma prova que o excelente trabalho desenvolvido nas categorias de base está gerando resultados positivos para o clube.


As equipes de polo aquático do Clube de Regatas do Flamengo contam com recursos de seus patrocinadores – AmBev, Rede D’or, IRB Brasil RE, CSN, Brasil Plural, EY – via Lei de Incentivo Federal/Ministério do Esporte (IR), além de apoio do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) proveniente da descentralização de recursos oriundos da Lei Pelé.